• Facebook: universitarioscristaos
  • Google+: 103645232262721434081
  • Twitter: unicristaos
  • External Link: www.instagram.com/universitarioscristaos
Postado em Sexta, 28 Abril 2017 - Escrito por 

O direito de greve

O que diz a Doutrina Social da Igreja Católica sobre a Greve?

O direito de greve

304 A doutrina social reconhece a legitimidade da greve « quando se apresenta como recurso inevitável, e mesmo necessário, em vista de um benefício proporcionado »[663], depois de se terem revelado ineficazes todos os outros recursos para a composição dos conflitos[664]. A greve, uma das conquistas mais penosas do associacionismo sindical, pode ser definida como a recusa coletiva e concertada, por parte dos trabalhadores, de prestar o seu trabalho, com o objetivo de obter, por meio da pressão assim exercida sobre os empregadores, sobre o Estado e sobre a opinião pública, melhores condições de trabalho e da sua situação social. Também a greve, conquanto se perfile « como … uma espécie de ultimato »[665], deve ser sempre um método pacífico de reivindicação e de luta pelos próprios direitos; torna-se « moralmente inaceitável quando é acompanhada de violências ou ainda quando se lhe atribuem objetivos não diretamente ligados às condições de trabalho ou contrários ao bem comum »[666].


Direitos dos Trabalhadores In Pontifício Conselho “Justiça e Paz”. Compêndio da Doutrina Social da Igreja. acessado em 27 de abril de 2017. Disponível em: http://www.vatican.va/

Desenvolvido por TDH